Universidade de São Paulo

IAG-USP

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padr√£o
  • Diminuir tamanho da fonte

Um Planeta em Nosso Quintal

Figura artística do planeta que gira em torno da estrela mais próxima da Terra.

 

Astr√īnomos usando um grande telesc√≥pio do observat√≥rio Europeu do Sul (ESO, da sigla em ingl√™s) no Chile anunciaram a descoberta de um planeta ao redor da estrela mais pr√≥xima de n√≥s depois do Sol, a estrela Proxima Centauri.

A estrela Pr√≥xima Centauri est√° a apenas 4,2 anos-luz (cerca de 39 700 000 000 000 quil√īmetros ) da Terra e √© uma estrela an√£ vermelha, que √© um tipo de estrela muito pequena, com aproximadamente um s√©timo do di√Ęmetro do Sol. O planeta rec√©m descoberto tem um ano de apenas 11 dias terrestres, o que garante que, apesar de sua estrela ser bem mais fraca do que o Sol, haja bastante energia para manter √°gua em estado l√≠quido. Poderia at√© haver oceanos que cobrem ao menos alguma parte do planeta, e onde h√° √°gua, pode haver vida.

Mas, existe vida lá? Infelizmente, essa é uma pergunta muito difícil de se responder.

Algumas pessoas já podem começar a imaginar o melhor método para se enviar uma sonda de reconhecimento para Proxima Centauri para verificar. Seria uma ótima idéia, mas não é fácil de realizar. Nosso foguete mais rápido levaria cerca de 75.000 anos para chegar lá. Aí não estaríamos mais vivos para descobrir as respostas.

Enquanto esperamos enquanto esperamos a tecnologia evoluir para encurtar o tempo de viagem, os astr√īnomos continuam usando os maiores telesc√≥pios dispon√≠veis, incluindo os do Chile que foram usados para encontr√°-lo, para estudar a luz que vem desse planeta e tentar identificar a exist√™ncia de oxig√™nio, oz√īnio ou outros gases que possam estar ligados a biologia e √† exist√™ncia de vida. Mas, na verdade, esse planeta apesar de ser um pouco maior do que a Terra (cerca de 1,3 massas terrestres) ainda √© muito pequeno e est√° longe de n√≥s, o que torna muito d√≠ficil estud√°-lo em detalhes, mesmo com os melhores telesc√≥pios que temos hoje. Ent√£o, tentar identificar esses gases provavelmente vai exigir que novos equipamentos sejam criados para isso. Portanto, √© um estudo que tamb√©m vai levar alguns anos.

No momento, o mais fácil a fazer é tentar identificar algum sinal originado naquele planeta, como algum sinal de rádio ou televisão. Estaremos atentos a qualquer novidades em relação a isso!

Mas, sinceramente, √© muito legal conseguirmos identificar um planeta como esse. Os astr√īnomos estimam que ao menos uma em cada cinco estrelas hospeda um planeta habit√°vel, ent√£o este √© apenas um em dezenas de bilh√Ķes s√≥ em nossa Gal√°xia. Nesse sentido, pode-se dizer que n√£o √© uma descoberta t√£o extraordin√°ria assim. Por outro lado, nenhum entre estas outras dezenas de bilh√Ķes de planetas estar√° t√£o perto quanto este. Este ent√£o ser√° sempre especial e sempre ser√° objeto de nossas aten√ß√Ķes.

 

por Luciene S. Coelho

 

Links Importantes

Links:
Observatório Nacional
Saiba mais sobre o Observatório Nacional, no Rio de Janeiro.
Observatório de Bordeaux
Conheça um dos mais tradicionais observatórios da Europa
Observatório Europeu
Sabia que o Chile abriga alguns dos maiores e melhores telescópios do planeta, que são mantidos pela Agência Européia?
www.flickr.com
Esse é um módulo do Flickr que mostra itens de um álbum chamado Fotos Observatório. Faça seu próprio módulo aqui.
FacebookFlickrYoutubeTwitter